segunda-feira, 30 de novembro de 2009

"Encantos Agrestes" Apresentado em Braga

No dia 28 de Novembro, às 16h, na Livraria Capítulos Soltos, em Braga, decorreu a apresentação da colectânea de contos Encantos Agrestes de José Salgado Leite. O espaço, uma livraria, recentemente aberta ao público, proporcionou um diálogo atractivo e caloroso aos numerosos leitores que acorreram ao evento.
Trata-se de um conjunto de quinze crónicas que o autor, que tem cultivando a poesia e a crónica, contando com vários prémios literários, revela terem sido baseadas em factos reais, algumas denotando um acentuado cariz auto-biográfico. Entre elas, destaca o conto a que deu o título “O Fecisco”, dedicada a José Teixeira Gomes Machado, “Incansável promotor da cultura popular, destacando-se nomeadamente no folclore, tanto na vertente das danças e cantares, como no estudo e preservação dos trajes regionais do baixo Minho” e, segundo as palavras do autor, fundador da “Rusga de S. Vicente há quase 45 anos, hoje um dos agrupamentos populares mais conceituados da cidade”.

Sobre o autor e a sua obra, falou-nos o escritor Cláudio Lima, cujo texto da apresentação passamos a transcrever:

Temos entre nós, afortunadamente, um punhado de escritores que, seja através da ficção, da pesquisa ou da crónica registadora, vai contribuindo regular e eficazmente para preservar e transmitir a memória das nossas gentes e das nossas coisas; escritores que assumem o testemunho inestimável e responsabilizante de seus próceres do passado, enriquecendo-o num processo aberto e fecundo de análise, interpretação, convergência/divergêrncia dialéctica e interactividade. Valores de hoje que sabem onde as melhores fontes, os mais preciosos filões da geografia cultural do Minho: José Augusto Vieira, Avelino de Jesus Costa, Conde d’Aurora, o trio de Sampaios: Alberto, Gonçalo e António Rodrigues; Martins Sarmento, Abel Salazar, Manuel Monteiro, etc.; tantas e tão exímias figuras que através das várias áreas do saber e de uma dedicação sem limites estudaram a nossa vida comunitária ao longo dos tempos, desenrolada desde os picos agrestes dos nossos montes, às viçosas veigas dos nossos vales.
Mas é de ficção que hoje tratamos. Sem dúvida, também ela vinculada à nossa realidade, às nossas tradições, ao nosso devir. Uma ficção que, hoje como ontem, vai alimentar-se ao mais profundo do nosso húmus colectivo, nele haurindo as virtualidades peculiares que o tempo consolidou, aquela energia inesgotável e aquele atavismo arreigado que fez e faz de nós personagens vivas, protagonistas interventivos, agentes tenazes na preservação de valores e impulsão de progresso no contexto regional e nacional. Ficção que regista nomes prestigiados do passado como Teixeira de Queiroz, Tomaz de Figueiredo, Manuel de Boaventura, Conde de Arnoso, Júlio Brandão, Luís de Almeida Braga, Maria Ondina Braga, João Marcos, Sá Coimbra, etc., — um longo e inestimável elenco que vai engrossando com a contribuição, qualitativa e quantitativamente expressiva, dos nossos prosadores ficcionistas de hoje, de que refiro alguns exemplos, sem menosprezo pelos muitos que terei de omitir. Couto Viana (que só numa fase avançada da sua fecundíssima vida literária desbloqueou a veia de contista), Maria do Pilar Figueiredo, João Lobo, Fernando Pinheiro, Jaime Ferreri, José Abílio Coelho, Pompeu Miguel Martins, Luisa Monteiro, Orlando Ferreira Barros.
E José Salgado Leite, autor de quem aqui saudamos mais um livro: Encantos Agrestes. Vem de terras de Montelongo (Cepães, Fafe, 1948) e credencia-o, se não uma obra autónomo muito extensa, uma vasta e valiosa colaboração em antologias e outros projectos colectivos, assim como em inúmera imprensa regional e nacional. Polivalente, tem na música e no teatro, sobretudo, espaços alternativos de afirmação própria e de intervenção no meio cultural em que se encontra inserido. Antes destes Encantos Agrestes, José Salgado Leite publicou individualmente um livro de poesia, Fragmentos do Quotidiano (1998) e outro de contos, Memórias de um Rio (1999). Já lá vão dez anos!
Num breve, mas denso e perspicaz Prefácio à obra agora em apreço, Artur Coimbra, ilustre poeta e investigador fafense, a determinado passo diz o seguinte: “(…) estamos em presença de uma obra adulta, que vai no sentido da confirmação do autor como um fabuloso contador de histórias. São contos sentidos, alguns de manifesto cunho autobiográfico, outros bem conseguidos exercícios de criação ficcional. Genericamente são estórias de vida — da sua e das que lhe são ou foram próximas. Relatos da memória da sua aldeia natal — Cepães — e da sua infância feliz (…). Crónicas das suas vivências em Angola, dos lugares para onde foi obrigado a ir combater, a contragosto (…)”.
Por sua vez, o Autor, em Duas palavras essenciais introdutórias, onde memoriza a génese e o estímulo destes textos, lembra o critério ordenador adotado: “O discernimento da sua apresentação é estritamente de ordem cronológica. Assim, o primeiro (Refúgio dos Infelizes) data de 1967 e o último (De Braga a Mondoñedo) de 2005. Trinta e oito anos de distância os separam”.
Temos pois dois contributos preciosos para situar no tempo histórico e no cânone narrativo este conjunto de textos, a que o Autor confere o rótulo genérico de contos. Quanto ao tempo histórico, num cômputo de quase quatro décadas, ele é evidente e determinante nas motivações que subsistem nesta dezena e meia de textos. Com efeito, eles atravessam e registam um tempo português que assiste aos últimos estertores de um regime totalitário e ao emergir de um outro, libertador e libertário, balizado pelo 25 de Abril de 1974. Quanto ao rótulo aglutinador dos diversos e heteróclitos textos, — contos — , remeta-se ao parágrafo acima transcrito de Artur Coimbra onde ele, com argúcia interpretativa, fala em “contador de histórias”, “contos”, “estórias”, “relatos da memória”, “crónicas das suas vivências”. Uma visão disjuntiva de um conjunto considerado de contos, na ótica de quem os escreveu e catalogou. Aceitemos a heterogeneidade apontada pelo crítico, até pelo facto de ela em nada apoucar ou desmantelar uma certa homogeneidade intrínseca na revelação da mundividência do Autor.
Seria longa e provavelmente desinteressante para uma fruição posterior, resumir aqui cada uma destas quinze peças. Obrigar-nos-ia a longos parágrafos sobre várias temáticas dominantes: a mísera condição social dos nossos pescadores e trabalhadores rurais (Refúgio dos infelizes, Reviver o passado, A vendedeira de castanhas, A bicicleta); a guerra colonial, suas cicatrizes e suas sequelas ( Corações tristes, O desertor, O Malaquias Cambuta); uma crescente e afirmativa consciência social das populações vítimas de exploração (Mais uma página de Luta, A ovelha tresmalhada, O bufo Marteladas, As voltas da Conga). As quatro últimas do livro, não cabendo, em rigor, em qualquer das categorias ou universos descritos, merecem, porém, igual referência. São elas A menina enjeitada, título e enredo tipicamente camilianos, em que o Autor faz uma incursão histórica pela nossa emigração para o Brasil no séc. XVIII, em plena agudização das lutas liberais; O Fecisco, figura típica da estúrdia bracarense, cicerone aplaudido pela malta estudantil em noctívegas deambulações pelos tasquinhos do burgo; Três noites no Soajo, que parte de uma verosímil viagem de estudo, por parte de uma estudante coimbrã, rumo àquele povoado típico do Minho serrano, para derivar para um complicado e absorvente envolvimento de almas penadas e rituais de resgate a que se viu compelida; finalmente, De Braga a Mondoñedo, é um dos textos em que a designação de conto menos se apropria. Começa por historiar o bispado de Dume e sua destruição pela Moirama em meados do séc. IX e a viagem de estudo que o Autor (na primeira pessoa) empreendeu à localidade galega de Mondoñedo, para onde, com autorização régia, o bispo-abade Sabarico transferiu a sede dumiense, por força da ocupação sarracena. Aqui, como em muitos outros momentos, registemos a apetência e a aptidão do Autor para escavações de natureza histórica.
Mas não só; ao longo de mais de duzentas páginas de que se compõe o livro, vinculados por uma escrita sóbria e diligente, muitos são os momentos em que o Autor projecta no fluxo narrativo, sem eufemismos nem redundâncias, as suas convicções sócio-políticas, os seus valores ético-humanitários. Poder-se-á dizer que o sentimento de justiça ou da ausência dela, constituem-se em preocupação e em denúncia dominantes. Sem configurar um livro-libelo, um quadro ficcionista ao serviço de estratificações ideológicas, não erraremos se apontarmos frequentes laivos do realismo gorkiano de A Mãe ou do neo-relismo de Soeiro Gomes de Esteiros, entre outros. Deparamos aqui, efectivamente, com figuras humildes, exploradas e espoliadas da sua dignidade, atiradas para um quadro da mais espinhosa sobrevivência e desiludidas da mais ténue réstia de esperança.
Muito de real e memorizado carreou José Salgado Leite para este livro; livro que não é inocente nem inócuo. Em contos mais regulares e noutros mais resvalados para géneros tais como a biografia ou a crónica, — é sempre um escritor empenhado que se afirma e impõe; um espírito que procura estar em sintonia com o seu e nosso tempo, seja na denúncia de todos os atropelos à dignidade humana, seja na solidariedade com as vítimas deles.
Braga, Nov. 2009
Cláudio Lima


2 comentários:

noticias disse...

McCann Unravels. "Los MCcánn nó són víctimas són verdúgos"

"ENCUBRIENDO EL MALTRATO INFANTIL ABUSOS SEXUALES Y ASESINATO en primer grado" "UN SPSICÓPATA"
Gerry MCcann es pederásta y no le ímporta que sea niño o niña lo que les interesan a los pederastas es su infáncia. LA JUSTICIA CUMPLE SE REHABRE EL CASO . SOS: EL RESCATE, DE MADELEINE (MCCANN) LA NIÑA “INGLESA” RAPTADA EN (PORTUGAL)
"AQUI HAY TONGO"
Madeleine MCcann el gobierno portugues y ministro de justicia mas fiscal y el juez toman una alternativa para los "Mccann" no hay cadaver no hay juicio.El juicio de "Marta Del Castillo" no hay cadaver pero se hace justicia......................
Madeleine MCcann En la primera anestesia la niña se despertó cuando se encontró al padre abusando de ella fue golpeada salvajemente por el propio padre al darse cuenta que no era bien recibido y volvió a ser anestesiada de hay la sangre de la niña de los golpes recibidos recordando en todo momento que estaba bajo los efectos del alcohol de hay el ataque cardíaco. Cadena perpetua para Un Pederasta y pedofilo Fueron los padres los asesinos mas torturaban a la niña. Los McCann y sus siete amigos cenaban cada noche durante sus vacaciones en Portugal, incluida aquélla en la que desapareció Madeleine, aseguraron que éstos bebían entre 10 y 12 botellas de vino, a las que precedían cervezas y cócteles durante el aperitivo mas lo que tomaban durante las comidas . kate y Gerri de profesión médicos anestesiaban a Madeleine puesto que lloraba 18 horas al día con mucha regularidad porque tenían en casa a su maltratador era ese el motivo de su llanto y se combirtio en un suplicio o martirio para el matrimonio causa del asesinato premeditado en primer grado aquí no podía haber ningún accidente por exceso de anestesia puesto que los dos son médicos .Estos asesinaron a su hija con premeditación .Los Mccann tenían deudas de tres mensualidades de su hipoteca de tres mil euros mensuales y las cuentas al rojo y se tomaron unas vacaciones veraniegas mas 40 días sin pagar nada por sentirse el director del hotel responsable de la desaparición de Madeleine total unas vacaciones a lo grande y todo a costas del asesinato premeditado en primer grado. No hay ningún retrato robot que valga basta, basta, de tanta comedia la falsa del retrato robot inventado por Remenber de Rokley portavoz del gobierno Británico y periodista que costo un millón y medio de Euros que tubieron que pagarles los Mccann por limpiar el nombre. La verdad de Madeleine MCcann pinchar en parte superior "Noticias"
Número de Pedido: 200912004686
Estado: Aberto
Data: 29 Dez 09 20:48
Assunto: [Abuse] > [Portal SAPO] > [Notícias]
Nome: levante.111
Email: levante.111@gmail.com
Prioridade: Informação
Operador
DIRÉ PARA MI PESAR QUE BÚSCO DE ÉSTE MÚNDO LA HÓNRADEZ Y DIRÉ QUE ÉSTE COMUNICÁDO ESTÁ YÁ EN PUBLICACIÓN DE MÁS DE 1150 BLOGG DISTRIBUIDO POR LA CIUDAD DE ALGÁRVE Y PORTUAL ES DE HÓNRADEZ LO QUE ESTOY PUBLICÁNDO CON EL BLÓGG MÁS ANTÍGUOS QUE HOS MANDÉ EN SU TIEMPO MUCHAS GENTES SE QUEDARÓN EN PÁRO EN ALGARVE Y PERDIDAS DE TURÍSMOS POR CÚLPA DE LOS MCCANNES ARROGÁNTES PREPOTENTES GENTÚZAS SÍN ESCRÚPULOS AMBICÍOSOS PEDERÁSTA Y ASESÍNO CASO MADELEINE MCCÁNN...SÍ MADELEINE MCCANN ESTÁ VIVA PERO EN NUESTROS CORAZÓNES.PORTUGÁL TERRA DE TRABALLADORES Y EMIGRÁNTES QUE SÓN LOS QUE LA HÁN LEVÁNTADO.Cuando se descubra la verdad se recuperara el turismo y la alegria de algarve recuperacion de empleos y la normalidad con el mundo.Está la reputación de portugal en jaque. "El último gríto de Madeléine MCcánn"
En vez de mistério tuvo más de círco y todo para tapar un asesinato que un niño no lo pasaria
desapercibido, lo demás de rísa por no llorár... Quisiéron hacérles al múndo un labádo de cerébro con retratos robot y comedias con el portavoz al frente.
Los MCcann tíenen conocimiento de este articulo
gracias por el buen recibimiento al creador/a de este magnifico blog y a sus visitantes que tengan un gran año llenos de abundáncias

日月神教-任我行 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,a片,線上遊戲,色情遊戲,日本a片,性愛

Quem sou eu

Blog da editora labirinto: edições, livros, autores, notícias, novidades.